do medo de ser feminina

Femme-is-not-a-dirty-word-color

Arte de Alice Eris Urchin

Quando escrevi sobre ser lésbica e ser feminina, senti medo. Escrevi o texto cheia de insegurança, com o conforto de saber que ao menos aquilo é a verdade sobre mim mesma, mas cheia de um medo permanente de ser criticada, julgada, de ser considerada tonta ou de o texto não ser visto como importante… ou seja, com medo de ser “vista como feminina”. Uma parte de mim tinha medo de aquele texto ser ridículo e por isso contive algumas coisas e não disse tudo o que podia ter dito sobre ser feminina. O medo era um bocadinho semelhante àquele que sentia quando amigas minhas conheciam o meu quarto pela primeira vez. Durante anos pedi desculpa pela overdose de cor-de-rosa presente – era a cor dominante no meu quarto. Quando um dxs meus companheirxs lá entrou pela primeira vez pedi-lhe desculpa pela quantidade de rosa e tentei dizer-lhe que aquilo não me representava assim tanto. Era um quarto de menina e eu sentia vergonha. Ele não ligou. O meu quarto hoje, que já não é decorado pela minha mãe, tem como cores dominantes o violeta e roxo. A minha cama é branca e cheia de torneados, parece uma cama de contos de fadas e fui eu que a escolhi. Tenho peluches em cima da cama. Montei o meu próprio quarto e é o mais feminino cá de casa. Nunca mais pedi desculpa a ninguém, mas às vezes ainda tenho medo. Foi mais ou menos isto que aconteceu quando escrevi sobre ser feminina. Sabia que pelo menos as pessoas próximas de mim iriam entender e não me julgar e que algumas outras pessoas queer femininas iriam encontrar ali eco – e assim foi. Muitas delas vieram falar comigo e dizer-me que não estou só e descobri aí que talvez a solução para este medo passe por estarmos juntas e falarmos sobre isto. Expormos a discriminação diária de que somos alvo e falarmos deste medo de nos mostrarmos femininas e por isso podermos ser ridicularizadas.

Mas também houve comentários contrários a estes, de quem não compreende o que é parecer lésbica, ou que acha o assunto de todo desnecessário. Engraçado como cada vez que um assunto é especificamente feminino, há toda uma tendência para o considerar de somenos importância. Ora, o que é isso de parecer lésbica? Isso não é relevante. Suponho que quem diga isto nunca tenha estado num espaço lésbico/queer e sido imediatamente colocada na caixa das hetero, vendo apagada a sua identidade, experiência e sensação de pertença. Ou que quem diga isto, nunca tenha olhado à sua volta à procura de referências e não encontrado ninguém que se pareça consigo. Quando me identifiquei como lésbica, as únicas lésbicas/dykes que eu conhecia e admirava como pessoas intelectualmente respeitáveis eram masculinas: Wittig, Butler, Rich, Rubin. Algumas que são mais conhecidas na cultura popular, têm também a mesma tendência para um visual masculino: Ellen DeGeneres, Adriana Calcanhoto, Jodie Foster, Lea Delaria. Não é por acaso que tenho tanta dificuldade em lembrar-me de alguma que seja conhecida e que seja visivelmente lésbica. Talvez por isso tenha ressoado tanto em mim o coming out feito pela Ellen Page, e mesmo ela adopta agora cada vez mais um visual masculino.

Se eu pensar nas lésbicas que conheço, em Portugal, século XXI, se olhar para as pessoas que me dizem ser lésbicas, abertamente, e para as primeiras que conheci, encontro uma ou duas que são femininas na sua apresentação e forma de estar. 99% das restantes são mulheres butch/com apresentação masculina. Quando entrei para o Clube Safo (há 2/3 anos) não havia na direcção uma única mulher que fosse simultaneamente lésbica e usasse saias. Ou melhor, havia: era eu. Não havia uma única mulher, além de mim, com cabelo que passasse os ombros. Não havia uma única mulher além de mim, que se identificasse como lésbica e usasse maquilhagem. Todas as restantes lésbicas vestiam calças, usavam camisas masculinas ou tshirts, cabelo curto e roupa prática em todas as situações em que estivemos juntas. Não é de todo coincidência que a única outra pessoa que era feminina, como eu, fosse bi. Todas as amigas mais próximas que tenho e que são lésbicas, são masculinas (tirando uma ou duas exceções). Para elas, é irrelevante pensar sobre parecer lésbica porque nunca tiveram um problema de invisibilidade. São fufas em todo o lado e a discriminação diária com que levam está lá para dizer isso.

É muito bonito dizer e pensar que as lésbicas não se têm que parecer com nada, mas para realmente levar essa ideia em diante, é preciso não ignorar o calling out feito por lésbicas femininas invisíveis. Dizer “ah as lésbicas não têm que se parecer com nada” quando sempre se foi lésbica visível, é falar a partir do desconhecimento do que é ver a sua identidade apagada em todas as situações, e ignorar o que é ter que fazer coming out todos os dias. É ignorar também que a ideia de senso comum do que é uma lésbica não tem efeitos performativos na vida das pessoas. Era giro que ser lésbica não tivesse que corresponder a nenhum visual/forma de apresentação. Mas se não corresponde a nenhum visual, então porque é que há um conceito do que é parecer lésbica? Porque é que há mulheres que são vistas como fufas e outras não? Porque é que há mulheres que levam com discriminação na rua por terem ar de fufas e outras não? Porque é que o que as distingue é sempre a presença/ausência de características masculinas? O que é que faz com que uma mulher com cabelo curto seja mais facilmente vista como lésbica e uma fufa de cabelo comprido seja considerada uma mulher hetero? O que se faz com conceitos como o gaydar, usados pelas próprias pessoas LGB? Que noções estamos a usar quando vamos a um bar LGB e nos sentimos bem lá porque sabemos que estão ali pessoas como nós? O que acontece quando o que encontramos nesses espaços são pessoas todas muito semelhantes entre si e nós somos the odd one out? O que acontece quando olho à minha volta e quero encontrar lésbicas como eu e as mulheres mais semelhantes a mim que encontro são mulheres bi?  Com a ideia de que o parecer lésbica não importa para nada, negamos a importância de encontrarmos pessoas semelhantes a nós, que nos ajudem a sentir seguras e validadas nas nossas identidades.

“Mas será que temos que ser identificáveis o tempo todo?”, perguntou-me uma pessoa, depois de ter visto o meu artigo. Quando se fala sobre a importância de visibilidade de algumas identidades – por exemplo, poly, trans, femme – há sempre vozes a perguntar isto. Eu vejo estes comentários na mesma linha exacta em que vejo as vozes de pessoas hetero, como a minha mãe, que me diz que eu posso ser o que sou desde que não precise de chamar a atenção para mim mesma. “Ninguém tem que saber, já viste alguma marcha de heterossexuais? Claro que não, porque a vida íntima das pessoas não é para ser divulgada assim dessa maneira”, cito uma pessoa imaginária que resume as milhares que pensam assim. Será que temos que ser identificáveis como gays e lésbicas o tempo todo, ou basta só em momento definidos para isso, por exemplo, uma vez por ano na marcha? Engraçado como nunca ninguém diz isto a pessoas heterossexuais – curiosamente elas não andam com a bandeira hetero, mas são sempre identificadas e visíveis enquanto tal, todo o ano, em todo o lado, no natal, no ano novo, nas festas de casamento, nos jantares lá em casa e em todos os direitos e privilégios que têm acima dos comuns mortais invisíveis. Qual é a necessidade de sermos visíveis todo o ano como aquilo que somos? Se calhar, é a necessidade de não sermos vistos como aquilo que não somos, o tempo todo, todo o ano em todo o lado, façamos o que fizermos, andemos com quem andarmos e passemos pelas discriminações que passarmos. O facto de eu não ser vista como lésbica não me impede de passar por todo um conjunto de micro-agressões diárias que, curiosamente, acontecem todo o tempo, todo o ano.

Era bonito viver num mundo em que não fossem necessárias caixinhas para nada, mas a maioria das pessoas que eu vejo a advogar pela abolição das caixinhas, são as mesmas que se mantém a si mesmas bem arrumadinhas na sua caixinha e que sempre estiveram seguras de ter um lugar de pertença. Eu, como lésbica femme, não tenho nenhum lugar de pertença, a não ser entre mulheres bi que levam com a mesma invisibilidade. O nosso lugar de pertença é o lugar das invisíveis.

Como eu, há muitas. Mas é difícil sabermos quem somos porque somos invisíveis. É difícil para nós formarmos comunidade como minoria quando somos constantemente vistas como parte da maioria hetero e cis. Mas nós somos a maioria invisível. Não nos reconhecemos na rua. Quando vejo outra mulher como eu, penso que ela é hetero e o problema começa logo aí. Eu faço parte da mesma construção de preconceito. Nós não nos conseguimos juntar porque não nos conseguimos ver. E uma fufa que sempre foi vista como fufa não faz ideia do que isso é e precisa de nos ouvir. As butch, passando por todo o preconceito que passam, têm ainda a pequena segurança de se poderem identificar mutuamente. De se reconhecerem. O poder do reconhecimento é imenso, nem que mais não seja para nos dizer que não estamos sozinhas no mundo. E partir daí nasce a possibilidade de se poderem apoiar, juntar, criar algum tipo de comunidade. Mesmo no meio da invisibilidade lésbica, há algum porto seguro no reconhecimento mútuo entre pares, na segurança de vermos exemplos de nós mesmas e podermos dizer: eu também sou assim. Para as femme não há nada disto. Há o mundo heterossexual com os seus exemplos monopolizantes de mulheres femininas. O resto, o imenso mundo de mulheres cis queer, bi, e não cis, genderqueer, fufas, trans femme, todo esse mundo, tem que ser descoberto nas nossas redes a cada coming out diário.

Portanto… será que temos que ser identificáveis o tempo todo? Sim, pelas nossas vidas e sobrevivência, sim. Só nos encontramos se falarmos. Uma fufa butch muitas vezes não precisa de dizer a outra que o é e será reconhecida na mesma. Nós, femme, nós temos que falar e falar e falar e levar com uma quantidade imensa de sexismo, femmefobia, lesbofobia, bifobia e transfobia. Comum a todas estas fobias está aquela de que falamos tão pouco em meios LGBT: a misoginia. E o problema está aí, nesse medo imenso do feminino e do que o feminino pode trazer. Que raio de lésbicas somos nós que temos tanto problema com o feminino? Que raio de comunidade somos nós que só tornamos visíveis algumas das nossas pessoas e contribuímos, com a nossa linguagem, os nossos espaços, os nossos hábitos, para continuamente apagar algumas de nós? Que raio de lógica nos faz contribuir para a ideia de que o feminino tem algo de errado e que não queremos associar connosco, tentando expurgá-lo dos homens gays efeminados, das pessoas trans e das lésbicas femme? O que faz com que feminino seja menos bom e porque é que continuamos sempre a valorizar o masculino mesmo em espaços queer e que se definem pela ausência de homens? Porque é que não temos pessoas femininas a falar nas nossas comunidades e, acima de tudo, a serem ouvidas? Porque é que as nossas vozes e valores são ainda e sempre masculinos?

São perguntas que ficam para continuar a reflectir, em conjunto, nos próximos textos. Este texto é parte de um conjunto de textos sobre femmephobia e invisibilidade:

Parte I – sou lésbica e não pareço

Parte II – do medo de ser feminina

Parte III – feminina não é sinónimo de fraca

Parte IV – femmephobia é misoginia (por escrever)
Parte V – femmes em todo o lado (por escrever)
Advertisements

About Fhrynne

queer. feminist. activist. lesbian. polyamorous. kinky. fairy. reader. bit antisocial. metal lover. feminist killjoy. aquarian. cat lover. polaroid and black & white photography lover. fantasy lover. Ver todos os artigos de Fhrynne

4 responses to “do medo de ser feminina

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: