a arte de falhar no amor

b4c419c1b52959421804a1d60fa60e91

Hoje encontrei um cabelo teu numa almofada. Comprido, encaracolado, não é meu. Reconheço-o. Sei que é teu. Ao contrário de ti, ficou aqui. Deitei-o fora, para o lixo. Antes, ainda fiquei algum tempo, a mão fechada, o cabelo encaracolado a brilhar com os reflexos que vêm da janela. Já não voltas. Tenho o teu cabelo aqui, na cama onde dormiste tantas vezes, mas tu já não voltas. Largo o cabelo no lixo, não como se te deitasse ao lixo, não. Só largo, deixo cair o que sei que já não posso segurar, despeço-me outra vez e de novo penso como seria poder fazer isso com todas as memórias que ficam e que me assombram.

Não podemos dizer adeus às pessoas assim. Não há uma maneira de dizer adeus quando as pessoas ficam em tudo o que tocam, quando acabam a fazer parte de quem somos e do que vivemos. Até um cabelo, encaracolado, pode magoar. Um cheiro. Uma palavra que evoca outras. Todos os lugares por onde passámos, alguns onde não posso mais voltar. A Elizabeth Bishop dizia, depois de perder um amor da sua vida, a Alice Methfessel: “the art of losing isn’t hard to master”, mas percebemos que é bem o oposto disto. Um desastre, diz depois. Ou vários. Uma perda não se apreende só de uma vez. Pronto, foi-se, já está. Não.

Todos os dias perdemos mais um bocadinho. Uma ausência que fica, um gesto que se lembra e nos desfaz, uma voz que não está mais ali, um lugar onde já não vamos, um plano que se foi. Ou coisas mais pequenas ainda. As linhas no canto de uma boca, que só se formam com algumas expressões, que só é possível notar quando ficamos muito tempo a olhar para alguém, linhas suaves mas tão marcantes, que se tornam parte do que faz um rosto único. Ali estão elas, num meio sorriso passageiro, ali estão, oh, já se foram. Depois o rosto fica sério, as linhas quase desaparecem mas nós, nós que olhámos tanto, tanto tempo, para aquele rosto que amamos, nós sabemos o local exacto onde essas linhas desapareceram e onde vão aparecer outra vez e esperamos. Esperamos para as ver de novo e pensar: isto. Isto é parte do que te torna única. Estas linhas, quase invisíveis mas marcantes, também estas tive que aprender a perder. E algo assim não se perde num dia, ou dois, ou muitos seguidos. Algo assim vai-se perdendo, dia após dia. E de repente alguém, anónima, sorri e tu vês umas linhas semelhantes, não iguais, mas semelhantes, e tudo volta. Não são aquelas que queres ver, tens só saudades. Houve uma altura em podias beijar essas pequenas marcas na pele e sentir-te a pessoa mais feliz do mundo.

O que é que nos faz amar alguém? Às vezes podem ser linhas num rosto. Às vezes são essas linhas, ínfimas, marcantes e tudo o resto que vem com elas. Como é que vamos perdendo, todos os dias mais um pouco, tudo aquilo que nos fez amar alguém? O riso, aquela forma de rir que mais ninguém tem. As palavras certas no momento certo. O corpo que se encaixa no nosso como se sempre tivesse estado ali. Tudo isto são coisas pequenas. Pormenores. Todos os dias devo perder mais um destes pormenores. Devo esquecer-me, aceitar. Mas isto é só o princípio. Aquelas coisas que nos fazem amar alguém não são suficientes para nos fazer ficar.

Passaste dias a fazer-me uma luz para eu acender durante a noite. Fizeste-a com as tuas mãos (também estas devo perder), formas mágicas para me acompanhar e aconchegar. Nunca mais a acendi. Está no meu quarto e agora não sei o que fazer com ela, assim como com tudo o resto que fizeste para mim, ou com tudo o que fiz para ti. Também essas coisas devem ser perdidas, mas não há meio de o fazer.

O amor não é incondicional. Isso é uma treta que vem com o resto do manual que nos fazem engolir. Amor incondicional não existe porque o amor não é um sentimento, é uma escolha. O amor tem mil condições de possibilidade e mil condições de impossibilidade. E amar, por si só, não chega. Podemos fazer muitas coisas em nome do amor. Podemos até esquecer-nos de nós mesmas e de nos amarmos a nós, por estarmos tão ocupadas a amar outra pessoa.  Recebermos amor de volta ajuda-nos a manter a ilusão de que temos tudo: eu amo-a, ela ama-me, havemos de sobreviver porque temos este amor maior que tudo. O amor não é maior que tudo, não é maior que as suas condições de possibilidade, não é maior do que as capacidades das pessoas que amam, não é maior que as dificuldades que lhe surgem.

Sim, é uma grande força que move montanhas, mas só é tão forte quanto as pessoas que amam, e às vezes nem isso chega, não importa o quão fortes sejamos. Pode mover-nos contra o mundo, de mãos dadas, contra as probabilidade, contra os silêncios. A nós moveu-nos contra muitas improbabilidades: a distância, os silêncios a que fomos obrigadas, a mentira a que nos submeteram. Tudo isso foi vencido com amor. Esse amor provava que tínhamos sido mais fortes: mais fortes que o abuso, mais fortes que o mal, mais fortes que a distância. Mesmo sem nos vermos, esse amor tinha sobrevivido. Que maior prova existiria de que esse amor nos levaria a todo o lado? O amor tornar-nos-ia invencíveis. Já tínhamos sobrevivido a tanto. Mas o amor não salva ninguém. Não te podia salvar a ti. Nem todo o meu amor te podia salvar e eu passei todo o tempo a achar que sim, sem perceber que me estava a perder também, todos os dias mais um pouco, achando que te salvava. O amor não salva ninguém. É fácil acharmos que o amor pode mudar tudo nas nossas vidas. É esse o discurso romântico. Quando encontramos amor tudo é possível. Mas o combustível deste amor, visto assim, acaba-se, consome-se. Durante uns tempos pensamos que mudámos tudo. Mas o amor não é um penso em cima de todas as nossas feridas. E também não é sempre bom.

Há pessoas que decidem ficar juntas porque ainda se amam. Mesmo que nada mais esteja a funcionar, mesmo que esse amor as esteja a destruir, pelo menos amam-se, não é? Mesmo que esse amor seja doente, mesmo que esse amor seja um hábito, um conforto, um vício ou uma forma de não estarem sós, ou uma forma de não terem que enfrentar a vida. E ficam. Anos. Vidas. Está tudo bem desde que estejamos com alguém, numa relação romântica, não é? Pior mesmo é estar sozinha. Antes haja amor, algum, ou uma aparência de amor. Mesmo que nos arraste para o fundo. Mesmo que dê cabo de nós.

Escolher o amor de outra pessoa é sempre mais importante. Mergulhar de cabeça, arriscar tudo, mudar a nossa vida toda por outra pessoa – que maior prova de amor existe? Ter a vida virada do avesso por amor. Escolher o amor contra todas as probabilidades, mesmo e especialmente, se toda a gente nos diz que estamos a fazer mal ou que não faz sentido. Mesmo, especialmente, se for difícil. Quanto mais difícil de concretizar maior esse amor se prova, maior o desafio. Os outros não entendem. Aquela pessoa vale a pena, vale tudo isso e mais. Vale deitar tudo fora e virar o mundo ao contrário. Vale tudo por amor. Vale as nossas vidas porque uma vida sem amor não é nada. E por isso é que depois do amor não somos nada. Se o amor se vai, não somos ninguém. Somos doentes. Precisamos de voltar ao amor, antes que as nossas vidas percam o sentido. Mesmo que o preço a pagar por esse amor seja alto, não importa, porque ninguém o vê. Não vale tudo por amor. O amor não vale a nossa sanidade, a nossa autonomia, o nosso auto-respeito. Podemos viver amores que nos tiram mais que dão. Que nos fazem menos. Que nos restringem. Amar não basta para dizer que está tudo bem. Amar não basta para manter uma relação.

Segue o que sentes, segue o teu coração, porque o teu coração sabe sempre o que quer, dizem. O coração não sabe nada. Não amamos com o coração, amamos com tudo o que somos, com todas as circunstâncias, com tudo à nossa volta. Não amamos numa bolha, em que nada mais importa, amamos com tudo o que vivemos e com tudo o que nos acontece. O coração, no meio disto, o que é? O que faz? O coração é uma construção. O coração não quer nada, somos nós que fazemos escolhas. É fácil atribuir tudo à força mágica, transformadora, alucinante do amor. É mais difícil, talvez, se percebermos que não há nada mágico no amor, nem nada que esteja além de nós. Somos nós que amamos, somos nós que fazemos, somos nós que escolhemos ficar, tentar, ir, desistir. Somos nós a cada momento, apenas com a magia que vem das nossas acções e nada mais. É mais difícil, talvez, se percebermos que o amor não é tanto aquilo que dizemos, prometemos, juramos, mas sim aquilo que fazemos dia após dia. É mais difícil, talvez, se percebermos que este amor-escolha, amor-tentativa-e-erro, amor-autonomia, amor-partilha, amor-próprio não nos transcende, nem nos ultrapassa, é feito por nós e custa. É mais difícil, talvez, se percebermos que não tem que valer tudo por amor, que nem tudo o que inclui amor é melhor e que o amor não vai resolver tudo. Se falhar no amor não implicar que falhamos em tudo na vida, se falhar no amor não implicar nunca mais acreditarmos em ninguém, se soubermos que existem coisas que valem mais do que este amor, talvez seja possível curarmos. Talvez até seja melhor às vezes falharmos no amor. Falharmos uma e outra vez e continuarmos a falhar sempre que for preciso. Talvez aí não seja preciso perder tanto, talvez aí seja possível ficar com o que fica e continuar a viver e até continuar a amar.

—Even losing you (the joking voice, a gesture

I love) I shan’t have lied. It’s evident

the art of losing’s not too hard to master

though it may look like (Write it!) like disaster.

Elizabeth Bishop, “One Art” – The Complete Poems 1926-1979. Copyright © 1979, 1983 by Alice Helen Methfessel.

Texto inspirado pela leitura de Love Is Not Enough

Imagem via Tumblr

 

Anúncios

About Fhrynne

queer. feminist. activist. lesbian. polyamorous. kinky. fairy. reader. bit antisocial. metal lover. feminist killjoy. aquarian. cat lover. polaroid and black & white photography lover. fantasy lover. Ver todos os artigos de Fhrynne

2 responses to “a arte de falhar no amor

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: