liberdade, headbang e metal

ab682d7c8411d2eb6598db5c15603cdf.jpg

Acabo de vir de um concerto de metal. Não fui a centenas, mas já fui a muitos. Mas pela primeira vez fui a um concerto sozinha. Não combinei com ninguém, embora soubesse que lá poderia encontrar muita gente que conheço. De facto sei que algumas pessoas que conheço estavam lá, mas não vi nenhuma nem fiz por isso. Fui sozinha. E foi incrível.

Não consigo explicar bem a sensação que me provoca a música, quando é música que gosto realmente, que me irrompe pelo peito adentro, se aloja em recantos do meu cérebro e me brota dos lábios – sim, parece exagerado, parece um ritual, mas para mim é isso que um concerto é quando é incrível. Um ritual, uma experiência mágica fora do tempo e do espaço, uma experiência única para cada pessoa mas vivida em conjunto, com desconhecidos. Eu no meio de desconhecidos não me senti sozinha. Estava ali sem ninguém porque queria estar e ao mesmo tempo estava acompanhada por pessoas apaixonadas pela mesma música que eu. Há qualquer coisa maior que eu nestes momentos e essa sensação de ser eu mas ser muitos é alucinante. Por umas horas, somos. Somos pessoas apaixonadas por aquela música que cada um interpreta como quer, que diz a cada um uma coisa diferente, mas é como se houvesse qualquer coisa de comum por baixo disso.

No meio de desconhecidos eu perdi-me e encontrei-me e foi como todos os concertos incríveis a que já fui, mas melhor. Não tinha que pensar em mais nada, nem mais ninguém, estava ali a passar tempo comigo. E ao mesmo tempo estava a partilhar aquele momento com pessoas que nunca vi na vida. Os concertos de metal são estranhos. Para qualquer pessoa que esteja de fora parece de facto um ritual esquisito, de gente marginal. Para mim é encontrar encontrar um lugar onde não sou estranha. Num mar de pessoas vestidas de preto, eu sou eu e não sou eu, sou só mais uma pessoa e ao mesmo tempo mantenho a minha individualidade.

Curiosamente, a experiência de estar em concertos de metal é para mim muito estranha, mas não pelos motivos que poderiam parecer a quem vê de fora. É que, nos concertos de metal, eu nunca fui assediada. Obviamente não tenho a ilusão de que isso não acontece, infelizmente sei que as mulheres não estão livres disso em lado nenhum. Mas para mim, felizmente, isso nunca aconteceu e na verdade muitas vezes experienciei a estranheza profunda de estar rodeada de homens e de masculinidade e essa masculinidade não me agredir. Sim, a heterossexualidade é retumbante, a masculinidade está lá e existe e actua, os homens dão em cima de mulheres também nos concertos de metal e tudo dentro do metal é organizado para manter as mulheres mulheres e os homens homens e nada ou muito pouco de ambiguidades. Mas depois a música e a própria cultura masculinizada do metal faz aqui algum trouble.

Olho à minha volta, neste concerto a que fui sozinha, a plateia é quase toda masculina, tenho homens enormes, altos, fortes à minha frente, atrás, ao meu lado. Há algumas mulheres e raparigas. Elas estão com os namorados, algumas como eu estão sozinhas, outras estão com amigas, outras estão com as namoradas – sim, estamos lá. Neste concerto em particular, estavam muitos mais homens que o habitual – a banda que fui ver só tem homens e isso reforça. Esta banda tem algo de particular para mim porque eu não oiço homens a fazer metal e estes são uma das poucas excepções. A minha política e paixão são as mulheres que fazem metal. Neste caso, fui ouvir homens e ver homens, rodeada de homens. Mas por estranho que pareça, estive num ambiente mais safe que o habitual no meu dia-a-dia. Estes homens, altos, sérios, vestidos de preto, que me rodeavam não me ameaçaram. Não. Pelo contrário, cada vez que sem querer me tocavam sem qualquer tipo de intenção – acontece num espaço apertado em que toda a gente está em movimento – pediram-me desculpa. Esqueci-os e perdi-me na música. Não sei explicar o headbang, nem porque o faço, sei que ali, no ritual-concerto, o corpo move-se, responde ao ritmo, à vibração e segue o seu caminho. Há qualquer coisa de surreal nesse movimento e no segundo em que levantamos a cabeça e sentimos outro ser humano ao nosso lado a fazer o mesmo e não o conhecemos mas naquele momento estamos os dois a vibrar com a mesma coisa. Levanto a cabeça e um rapaz ao meu lado está a fazer o mesmo que eu, olhar perdido e embevecido, olha para os seus heróis no palco. O seu olhar de adoração é apaixonado e eu rio por dentro desta terrível heterossexualidade e masculinidade que não é suficiente para roubar àquele rapaz o olhar de fascínio que lança aos homens no palco. Os amigos abraçam-no, ao rapaz. Um deles aproxima-se dele, feliz por o encontrar ali e afaga-lhe o cabelo com um carinho estranho e quase desfazado – mas ali, no ritual, faz sentido. Do meu outro lado, dois rapazes enormes estão a ter o concerto das vidas deles – percebo, pelos comentários. Há um momento em que se abraçam os dois e riem e depois passam algumas músicas abraçados, os corpos a moverem-se com a música, rindo e bebendo cerveja. Há um momento em que um diz ao outro: eu não te disse que era brutal? E beija-o no rosto, com entusiamo, o outro ri e diz: sim, pá, tens razão! Deduzo que são heterossexuais, claro. Há pouco pagaram duas cervejas a umas raparigas atrás de mim, uma delas mencionou ter namorado e eles, tudo bem, voltaram à música assim que o intervalo terminou. Gritavam pelos homens no palco – de repente parece que todos ali queremos aqueles homens do palco, não importa os nossos géneros. Eu sei que é só naquele momento, eu sei que lá fora o mundo continua igual e sei que mesmo ali as fronteiras estão traçadas, que as fãs que são mulheres ainda são vistas de lado, sei que ali o género está a ser tão policiado como em todos os outros lados. Mas depois há estes momentos, momentos em que eu – uma mulher sozinha – consigo ver um concerto rodeada de homens sem ser incomodada. Momentos em que estes homens se tocam e se abraçam e se beijam na cara, felizes, inebriados pela música, fascinados, alguns deles emocionados. Deixo-me ir e esquecer que existe um mundo lá fora em que nada é assim. O metal é uma música de emoções, de força, de luta, de revolução e é isso que o meu corpo quer ali. Canto e oiço as outras vozes ao meu lado. Por vezes há um daqueles momentos em que estamos silenciosamente a formar as palavras de uma música que nos toca e vemos que mais ninguém o está a fazer mas de repente lá está uma pessoa, algures, perdida como nós, com os olhos a brilhar e os lábios a formarem as palavras.

Os braços no ar, os dedos a formar o símbolo tão típico, um mar de gente de braços no ar com esse símbolo, os braços que se agitam ao ritmo da bateria, que ajudam a identificar quem conhece aquela música como o bater do seu próprio coração. As pessoas aos saltos, o fogo no palco, o calor das chamas a varrer-nos o rosto, os cabelos a agitar-se no ar e ninguém se importa, o headbang é contagiante, os braços, os saltos, pegam-se, propagam-se como fogo. As letras são dramáticas, diabólicas, sim, outras são belas, enternecedoras, românticas, todas elas reflectem alguma coisa sobre este mundo, a forma como vivemos. Não sei explicar porque é que o metal me faz sentir assim. Talvez seja por parecer falar apenas comigo e ao mesmo tempo dizer-me que não estou sozinha, que ali estão pessoas como eu que entendem, e mesmo que não entendam, não faz mal, porque a música já entendeu e já me disse algo, já me deu algo, já me levou para longe, já me deu bálsamo para a dor, já me salvou, já me acompanhou, já me saciou e já me deixou livre. São só momentos. Mas são momentos em que tudo faz sentido e em que relembro porque é que metal é para mim a melhor música do mundo. Hoje fez de novo sentido e ali, sozinha, com centenas de pessoas, encontrei-me de novo – ainda sou eu. E hoje levei-me a um concerto.

ef53d1576e67ee6673819b213dff1103.jpg

Anúncios

About Fhrynne

queer. feminist. activist. lesbian. polyamorous. kinky. fairy. reader. bit antisocial. metal lover. feminist killjoy. aquarian. cat lover. polaroid and black & white photography lover. fantasy lover. Ver todos os artigos de Fhrynne

2 responses to “liberdade, headbang e metal

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: